Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Pirralhos mentais em um mundo escatológico – por Carla Rojas Braga

O fenômeno da globalização graças à internet é uma maravilha, mas como nada é perfeito, traz à tona, assim como aquelas fezes que insistem em boiar, algumas pseudo intelectualidades, celebridades virtuais com 15 minutos ou 15 meses de fama.

O mundo pirralho, de adultos que insistem em não crescer, de adultescentes maconheiros, que acham que fazer sucesso é lacrar ou viralizar, coloca a responsabilidade sobre nosso futuro nos ombros de uma criança mal saída das fraldas, com claras dificuldades mentais.

Esse ser, que mais parece o Jack Nicholson em um Estranho no Ninho, é exposto como um bichinho de zoológico, nessa grande gaiola que é a rede mundial do “broadcast yourself”, onde qualquer um com um celular na mão vira um jornalista especialista em qualquer assunto, a defecar pela boca e decretar alertas tsunâmicos sobre o planeta , assuntos dos quais não tem conhecimento profundo, como um boneco cujos ventríloquos são grandes corporações internacionais com interesses excusos.

Neste mundo de pirralhos mentais com titica de galinha na cabeça, onde um lugar  só é interessante se for instagramável, morrem milhares de crianças por falta de saneamento básico e diarréia, inclusive no Brasil, onde mais da metade dos lares não têm tratamento de esgoto ou água encanada.

Enquanto no Brasil corruptos e corruptores ainda questionam a abertura do mercado de saneamento para empresas privadas mesmo com a situação precária, enquanto uma M de presidente e seus filhos catadores de bosta no zoológico se locupletaram com nosso dinheiro e mataram milhões pela corrupção, no mundo civilizado, quando soube do número absurdo de mortes de crianças por problemas decorrentes da diarréia, Bill Gates achou que os vasos sanitários eram um negócio sério e apostou  alto que uma reinvenção desse conforto essencial poderia salvar meio milhão de vidas e gerar uma economia de cerca de 235 bilhões de dólares (880 bilhões de reais).

O bilionário filantropo, cuja fundação Bill & Melinda Gates destinou 200 milhões de dólares durante sete anos para financiar pesquisas sobre saneamento, apresentou no ano passado  20 novos projetos de vasos sanitários e processamento de resíduos que eliminam agentes patogênicos prejudiciais e transformam os dejetos corporais em água limpa e fertilizantes.

Segurando um frasco com excrementos humanos que, segundo Gates, continha cerca de 200 trilhões de células de rotavírus, 20 bilhões de bactérias Shigella e 100.000 ovos de vermes parasitários, disse na ONU que novas estratégias para esterilização de resíduos humanos poderiam ajudar a acabar com cerca de 500.000 mortes de crianças e poupar 233 bilhões de dólares por ano em custos relacionados com diarreia, cólera e outras doenças causadas por condições precárias de água, saneamento e higiene.

Gates e  sua mulher, Melinda, doaram mais de 35,8 bilhões de dólares (134 bilhões de reais).

“Nunca imaginei que eu saberia tanto sobre cocô”, disse Gates.

E eu, nunca imaginei escrever um artigo tão escatológico.

Chega de sensacionalismo e falsos beneméritos.

O Brasil precisa puxar a descarga e mandar esgoto abaixo todos os corruptos e corruptores que matam nosso povo pela corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *