Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Mulheres que não servem – por Rodrigo de Bem Nunes

Naturalmente que no Dia Internacional da Mulher o centro das homenagens seja a…. mulher, certo?

Mais ou menos.

O dia 8 de Março encaminha-se para ser o dia de “certas mulheres”. Explico.

Tente lembrar da última vez que você viu um tributo à vida e obra de Maria Gaetana Agnesi, que no
seculo XVIII tornou-se a primeira mulher do mundo a ter uma cátedra universitária em matemática por
suas publicações sobre cálculo diferencial e integral. E alguém viu alguma menção a freira Mary Kenneth
Keller? Ela foi, em 1965, a primeira mulher a receber o título de Ph.D em ciências da computação nos
EUA. Mary Keller ajudou a desenvolver o BASIC, linguagem de programação conhecida até os dias de
hoje.

Já Marie Curie foi não apenas a primeira mulher, mas a primeira pessoa a ser laureada com dois
prêmios Nobel, em Física (1903) e Química (1911). Além de uma cientista fenomenal, Marie Curie foi
também esposa devota e mãe provedora de uma educação exemplar, sendo sua filha Iréne Curie
igualmente laureada com o Nobel de Química em 1935.

Outras figuras marcantes, em tempos mais recentes, também fizeram história. No campo da política,
temos a dama de ferro Margaret Thatcher, primeira mulher a alcançar o posto de Premier, liderando o
governo britânico entre 1979 e 1990. No ramo dos negócios, temos a texana Carly Fiorina, presidente
por dois anos da HP, uma das maiores empresas do mundo no ramo da tecnologia e postulante ao cargo
de presidente dos EUA nas eleições de 2016. Um detalhe; Carly começou sua carreira como secretária,
tendo suas conquistas sido feitas por mérito totalmente próprio.

E o que falar da professora de educação infantil Heley de Abreu e suas auxiliaries Jessica Santos e Geni
Martins, que em 2017 se sacrificaram para salvar 25 crianças de um incêndio criminoso provocado
por um vigia na creche em que trabalhavam, em Minas Gerais? Heley chegou a entrar em luta corporal
com o assassino, teve 90% do corpo queimado e faleceu por seus alunos junto de suas
ajudantes.

Tente achar homenagens a estas mulheres no dia 8 de Março, alguma referência ao seu legado.

Você não vai encontrar.

Sabe por quê?

Elas não defenderam o aborto, não fizeram fotos sensuais, não cantam hits lacradores, não protestam contra algo ou alguém. Elas representam uma imagem que não deve ser promovida pois seus exemplos desfavorecem a narrativa feminista contemporânea de ruptura e quebra de tabus; Donas de casa tradicionais, freiras intelectuais, cientistas mães de família, políticas patriotas, executivas conservadoras e professoras infantis… desculpem, mas talvez este não seja o seu dia.

Vocês não servem.

Já Pablo Vittar, parabéns!

(Rodrigo de Bem Nunes é administrador em negócios internacionais e mora em Houston, no Texas, EUA)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *