Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Globo e Regina Duarte: como uma empresa pode ser tão hipócrita? – por Pedro Duarte

Em 2016, o ator global José de Abreu ofendeu e cuspiu em um casal dentro de um restaurante japonês de São Paulo.

Em 2018, através de suas redes sociais, Abreu difamou o conceituado Hospital Albert Einstein, alegando que a instituição havia forjado o atentado contra Jair Bolsonaro.

Acabou sendo processado e condenado a pagar R$ 20 mil de indenização ao Hospital.

Mais recentemente, em 2019, novamente através de suas redes sociais, o ator ofendeu a Diretora de Novelas Glória Perez, comparando-a com o assassino de sua filha: Guilherme de Pádua (que em 1992 matou a jovem e com grande futuro Daniela Perez).

Em todos estes casos, a Vênus Platinada não piou, não emitiu sequer uma nota de repúdio, não tentou se desvincular da agressão de seu funcionário e tampouco o puniu.

Ao contrário: promoveu uma homenagem a Zé de Abreu num dos quadros do Programa Domingão do Faustão – onde ele teve a oportunidade de tentar esclarecer e se defender, imaginem, pela cusparada que deu no rosto de uma… mulher.

Como se não bastasse, ele parece ter sido ainda mais premiado pela emissora, continuamente recebendo papéis de destaque em suas novelas e séries.

Agora em 2020, a também atriz global Regina Duarte, uma das mais talentosas profissionais do meio artístico brasileiro, foi convidada pelo atual Governo Federal para ser a nova Secretária Especial de Cultura, junto ao Ministério da Cidadania.

A resposta da Rede Globo foi imediata: “a atriz Regina Duarte tem contrato vigente com a Globo e sabe que, se optar por assumir o cargo, deve pedir a suspensão de seu vínculo com a emissora”.

Esta foi a frase dita por William Bonner, em comunicado oficial, durante a apresentação do Jornal Nacional de ontem (20.01). Ou seja, tratou de forma pública cláusulas do contrato privado de sua contratada, em um flagrante desrespeito.

E assim, a poderosa Emissora de TV da Família Marinho, que tem por missão entreter, divulgar e noticiar – além é claro, de implicitamente conduzir o modo de pensar da sociedade brasileira – mais uma vez mostra sua faceta hipócrita e mau-caráter, premiando o crime e a canalhice, e punindo o mérito e o respeito, por pura quezila ideológica.

Como uma empresa pode ser tão hipócrita?

A propósito: depois de ter lido isso, você já pegou o controle remoto para trocar de canal?

(Pedro Duarte é professor de história / @pexadu no instagram)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *