Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Fintechs de impacto social democratizam serviços bancários

As fintechs de impacto social estão democratizando os serviços bancários, ao ponto em que abrangem as pessoas que possuem algum impedimento na hora de fazer uma conta em um banco comum. Um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2018 apontou que o país conta com 60 milhões de pessoas “deixadas do lado de fora da porta-giratória”. 

De acordo com uma pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o aumento do desemprego e com a extinção gradual, mas dolorosa de postos de trabalho, o empreendedorismo por necessidade tem sido uma solução encontrada principalmente por moradores da periferia. Nesse cenário, o número de empreendedores no Brasil quadruplicou desde 2007. 

“A ausência dos bancos tradicionais foi um motivo para a criação do Banco Maré, criado dentro da comunidade da Maré, no Rio de Janeiro, mas que hoje atua em várias comunidades pelo Brasil, oferecendo serviços financeiros, em especial microcrédito para o desenvolvimento de negócios locais e permitindo transferências e pagamentos de conta. As transações são efetuadas como em outros bancos digitais, via smartphone. A diferença está na aposta no sistema de micro pagamento, ou seja, pequenas transações feitas dentro das comunidades. Nessas transações é possível usar a Palafita, como é chamada a moeda digital do banco”, exemplificou o portal especializado Whow!. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *