Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Estamos definhando – por Carla Rojas Braga

Definhamento é uma sensação de estagnação e vazio, quando você pensa que sua vida está andando como um carro com o freio de mão puxado, que você está se arrastando, não vivendo, mas apenas sobrevivendo.

Muitas pessoas estão lutando contra sintomas emocionais da pandemia. Não estávamos preparados para continuar nesse estado de angústia.

Pensávamos que o pior já havia passado e que 2021 seria um ano mais alegre, mas, na verdade, desenvolveu-se um estado de abatimento crônico.

O definhamento é um estado mental pouco estudado, porque situa-se entre a depressão e o bem-estar. Você não está deprimido, mas também não está bem.

Você não funciona com plena capacidade, tem a motivação embotada, tem dificuldade de se concentrar.

Não é uma depressão, mas aumenta o risco de doenças mentais.

O termo foi utilizado pelo sociólogo Corey Keynes, impressionado porque muitas pessoas não deprimidas não estavam evoluindo na vida. Sua pesquisa indica que essas pessoas terão casos graves de depressão e transtornos de ansiedade na próxima década.

O problema de estar- se definhando é que você não percebe o embaçamento do prazer e da diminuição da motivação para as atividades do dia a dia. Sendo assim, a pessoa não procura ajuda porque não se dá conta que está doente.

Esse processo mental está afetando adultos, jovens e crianças e precisamos agir, ou teremos uma geração de deprimidos e pouco produtivos.

Algumas atividades podem auxiliar para diminuir o definhamento.

Utilizar o conceito de ” fluxo” pode ser um bom recurso. Fluxo é aquele estado de atenção flutuante em algum exercício que requeira algum foco. Um jogo de tabuleiro com a família, assistir uma série inteira na tv, uma atividade ao ar livre.

O importante é ter algum tempo para si, sem interrupções constantes, como checar o email ou as redes sociais a cada minuto.

A pandemia foi um grande processo de luto para todos nós.

Precisamos nos recuperar como enlutados o fazem. Pequenas vitórias a cada dia.

Encontre um tempo diário para se concentrar em algum pequeno desafio, um projeto de futuro, uma conversa significativa.

Não estar com depressão não significa que você está bem.

Não estar esgotado não significa que você está no seu ritmo normal.

Ao nos darmos conta que tantas pessoas estão definhando, inclusive crianças, poderemos buscar um caminho para que possamos voltar a viver.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *