Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Em tempos de coronavírus, o carrapato ou a vaca? – por Valter Nagelstein

Como estamos vivendo tempos sombrios e inimaginados, tudo é novidade e o futuro, incertezas.

Lembram das consequências da greve dos camioneiros na economia brasileira?

Pois então, uma simples parada de 15 dias quase trouxe o país à bancarrota (e levamos quase dois anos para recuperar, se é que já recuperamos).

Diante desse cenário de iminente colapso econômico, vozes se levantam e dizem – usando o jargão gauchesco: – não podemos matar a vaca (economia) para eliminar o carrapato (COVID19).

Estes falam (inclusive um ex ministro de estado e médico) que a baixa mortalidade do vírus não justifica a parada do mundo. É um argumento, mas do ponto de vista ético difícil de sustentar.

Todavia, no médio prazo sabemos que terá que ser a inexorável escolha.

Outros dizem: já vi ex-falido e nunca vi ex-falecido…

Por hora a alternativa consensual no mundo é priorizar a vida em detrimento da economia – e forçar a parada total.

Quanto tempo? E o caos social? E saques? E as empresas quebrando, como ficam os planos de saúde? E as empresas quebrando, de onde virão empregos e impostos?

O cenário é apocalíptico, à la Mad Max (Deus nos livre).

O que a ciência indica (enquanto não vier uma cura) é que praticamente todos serão contagiados no médio prazo (seis meses a uma ano).

Diante desse cenário, à politica é apresentado o problema: a economia ou a vida?

O dilema, a escolha, para mim, diante da certeza da contaminação de um enorme número de pessoas é: ganhar tempo para fazer hospitais de campo e construir respiradores.

Daí, segue o jogo, retorna à vida.

Aceitar a doença como inevitável e ter a infraestrutura para enfrentá-la é a resposta ao dilema ético.

Tudo indica uma curva crescente da doença no mundo e nada impede uma recidiva na própria China.

Então, teremos que nos conformar com as fatalidades – e mandar a vaca pro pasto.

Ah, e sem querer uma guerra com a China… Mas que eles vão ter que melhorar a dieta, isso vão!

advogado, vereador em Porto Alegre (RS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *