Insira sua pesquisa e pressione ENTER

É preciso repensar para competir com plataformas digitais

A pandemia do novo coronavírus forçou a migração do varejo para o online e, para se adequar a isso, é preciso repensar os negócios, segundo afirmou Lucas Tempestini, que é head de Marketing & Comms da Sensedia. Segundo o relatório NeoTrust, que analisa o varejo digital com base em dados do Compre&Confie, a previsão é que as compras online gerem um faturamento de R$ 90,7 bilhões em 2020, um crescimento de 21% em relação a 2019, quando o setor faturou R$ 75,1 bilhões.

“Alguns especialistas afirmam que, mesmo após o afrouxamento da quarentena e a reabertura total do comércio, as vendas online vão continuar se expandindo e se fortalecendo nos próximos dois anos. Este é um movimento que já estava sendo percebido há alguns anos pelos varejistas e, com a pandemia e a aceleração das vendas online, não terá mais volta”, escreveu ele, no portal especializado itforum365.com.br.

Por isso, é que o mercado precisa de uma nova estratégia. “As empresas que já contavam com uma estratégia digital sólida antes da pandemia possuem uma vantagem de largada neste ponto. A Via Varejo é uma das companhias que está tendo resultados positivos desde que investiu em uma estratégia de marketplace: aumentou sua diversidade de produtos, expandiu e aumentou a eficiência multi-channel (vendas online e offline) e implementou a chamada revolução digital dentro da companhia. Mesmo com a pandemia, o marketplace da Via Varejo registrou no primeiro trimestre um lucro líquido de R$ 13 milhões”, completou.

“A estratégia usada pela Via Varejo, bem como pelas empresas que mais cresceram na última década é um conceito chamado de plataformização, ou seja, negócios que trazem disrupção, integração entre empresas e novos modelos de negócios e oportunidades em diversos segmentos”, concluiu.

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *