Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Dicas úteis para ter resiliência – por Carla Rojas Braga

Todos sabemos que o sofrimento faz parte de toda a existência humana e muitos de nós já passaram por tragédias pessoais.

Mesmo assim, estamos chocados e preocupados com as consequências da pandemia e do confinamento.

Mas temos que reagir para não sucumbir.

Precisamos usar todas as nossas forças para termos resiliência para superar essa grande e trágica surpresa.

Entender que muitos  estão sofrendo ao mesmo tempo diminui nossa sensação de pequenez ao enfrentar um desafio tão grande.

E o mundo inteiro está sofrendo.

Estamos todos no mesmo barco.

Ao invés de se perguntar “Por que comigo?”, pessoas resilientes pensam: “Por que não comigo?” e usam a dificuldade para poderem se modificar para melhor.

Esta é a nossa vida agora – é hora de afundar ou nadar.

Vivemos em uma época em que muitos sentem o dever de ter uma vida perfeita, com fotos lindas e felizes nas redes sociais sendo quase uma obrigação, mas, como todos sabemos, elas muitas vezes não expressam a realidade.

Permita-se sofrer, mas resistir a tudo isso.

Escolha com cuidado para onde está direcionando sua atenção, para começar.

Pessoas resilientes costumam avaliar situações de maneira realista e geralmente conseguem se concentrar nas coisas que podem mudar e aprendem a aceitar as que não podem.

Essa  é uma habilidade vital e treinável.

Como seres humanos, somos bons em perceber ameaças e fraquezas. Estar sempre conectado com a realidade é importante para nós e nos ajudou, de uma perspectiva evolutiva.

Quando vivíamos nas cavernas, nossa capacidade de ignorar um lindo arco-íris para nos concentrar em um tigre que se aproximava garantiu nossa sobrevivência.

O problema é que agora vivemos em uma época em que somos bombardeados por diferentes tipos de ameaças – de distanciamento de familiares e amigos ao medo de ficar sem dinheiro, ou mesmo o medo de adoecer, morrer ou de perder alguém que amamos.

O dia todo nosso cérebro trata cada uma dessas ameaças como se fosse um tigre e nossa resposta ao estresse é permanentemente exigida em nosso cérebro.

Para resistir a tudo isso, pessoas resilientes criam uma maneira de sintonizar o bem ao seu redor.

Não perca o que você já  tem com o que você está perdendo.

O Coronavírus mudou o mundo e, no nosso novo mundo, tente encontrar coisas pelas quais agradecer.

Pelo menos, você está vivo.

Pelo menos, você tem o amor e apoio de sua família e amigos para ajudar.

Quando você estiver passando por um momento difícil, pode precisar de um lembrete para se sentir grato.

Aceite o que for bom.

Curta pequenas vitórias e pequenas alegrias com a mesma intensidade com a qual vivencia as grandes tristezas.

Encontre a fórmula que melhor funciona para você para se sentir melhor.

Faça o que fizer, faça um esforço intencional, deliberado e contínuo para sintonizar o que é bom ao seu redor.

Pergunte a si mesmo: “O que estou fazendo está me ajudando ou me prejudicando?”

Essa pergunta imensamente poderosa é muito usada em terapia e funciona como um remédio.

Ao se perguntar se você realmente precisa beber aquele copo extra, passar uma hora a mais nas mídias sociais ou refazer a mesma discussão com alguém que você gosta, você está se colocando no controle das suas emoções e isso dá controle também  sobre sua tomada de decisões.

Ao contrário do que muitos pensam, a resiliência não é uma característica fixa ou ilusória que algumas pessoas têm e outras não.

Na realidade, requer vontade de experimentar estratégias básicas como essas.

Todos nós temos momentos na vida quando o caminho que pensávamos seguir vira para uma direção terrível que nunca tínhamos antecipado e que certamente não queríamos, mas, mesmo assim, precisamos resistir e continuar vivendo.

Não vou fingir que pensar assim é fácil e que remove toda a dor.

No entanto, durante a minha vida aprendi que pensar dessa maneira realmente ajuda.

Mais do que tudo, me mostrou que é possível viver e sofrer ao mesmo tempo.

Tente resistir e ficar bem e vivo.

Vai passar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *