Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Ciência e fé – por Fernanda Bered

Aqui estou eu, sentada em frente ao meu computador, fazendo um esforço enorme para seguir com o tal “home office”, entre faxinas, roupas e almoços.

Cada dia fico mais estarrecida, mas não surpresa, com a politização do atual problema mundial de saúde pública. A questão não é simples, disso todo mundo sabe. Se houvesse solução pronta, alguém já teria apresentado.

Há quem diga que aqueles que acham que tudo isso é um exagero, seja por negacionismo, ignorância (no sentido não pejorativo da palavra) ou por desespero, deveriam levar vida normal e assinar um termo abrindo mão do seu respirador, assim tudo estaria resolvido. Não estaria. O danado do “bicho” aproveita pessoas circulantes e pode infectar um pobre desavisado que só deu uma saidinha para comprar pão.

Que ironia, estamos todos conectados, ricos, pobres, direita, esquerda, velhos e jovens.

Sim, é angustiante.

Não sei se minha tristeza aumenta mais cada vez que vejo pessoas sendo enterradas em covas rasas ou sem poder se despedir da família, ou quando vejo pessoas desesperadas, sem poder fazer nada, quando seu pequeno negócio e ganha-pão está escoando pelo ralo.

Sim, estamos com o nosso direito de ir e vir prejudicado nesse momento. Mas não esqueçam que é uma emergência, talvez agora não dê para levar ao pé da letra o nosso direito à liberdade, o qual valorizo tanto. Ademais, onde começa o seu direito de circular e onde termina o meu direito à vida?

A tal da conexão que esse “bicho” novo nos trouxe.

E por fim, o que me chama mais a atenção é o grande equívoco que vem aparecendo em diversos textos e incontáveis posts nas redes sociais. A tal da opinião. Amigo, você tem e deve ter opinião para tudo e as diferenças são muito salutares. Mas entenda de uma vez por todas, ciência não é opinião.

Nós tivemos a vantagem de ser atingidos algumas semanas depois do que a Europa, por exemplo, e ter alguns modelos para entender como o negócio funciona. Mesmo assim é tudo muito novo e a corrida está grande para entender como esse errático “bicho” se comporta.

Existem pessoas que passaram a vida inteira estudando processos biológicos, especialistas em saúde pública, infectologistas e uma sorte de profissionais dedicados, honestos e muitas vezes obcecados pelo seu objeto de estudo. Eles não estão emitindo uma opinião que você deve ser contra ou a favor. Eles não estão explicando a população o que a ciência já encontrou sobre as potenciais drogas que podem ser usadas para amenizar os sintomas para que VOCÊ dê a sua opinião.

A realidade pode ser dura de engolir e pode nos fazer sentir encurralados. Mas a ciência lida com fatos, e pode levar muito tempo para esses fatos serem validados ou contestados.

Então, se eu posso dar um conselho final, esqueça sua posição política nesse momento e confie na sua sensibilidade em eleger profissionais sérios e competentes a quem você possa escutar.

E vamos precisar muita fé para acreditar que a SOLIDARIEDADE vai vencer a ganância e o desejo de poder.

Nós vamos precisar muito dela.

(Fernanda Bered é PhD, professora de genética e biologia molecular da Ufrgs)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *