Insira sua pesquisa e pressione ENTER

Brasil: o eterno país do futuro! – por Gilberto Simões Pires

(publicado originalmente no PontoCritico.com)

Passada a euforia da aprovação da REFORMA DA PREVIDÊNCIA na Câmara dos Deputados, os investidores (nacionais e estrangeiros) já dão a entender que perceberam, enfim, que a decantada recuperação da economia brasileira, mesmo depois da sua necessária aprovação no Senado, prometida para o início de outubro, não será tarefa fácil.

Primeiramente é preciso admitir que o texto da REFORMA DA PREVIDÊNCIA, do jeito que a Câmara aprovou, ainda que se possa dizer que foi um avanço importante, a rigor não passou de um REFRESCO FISCAL – FEDERAL-, com duração de 10 anos, se tanto.

De novo: a PEC DA PREVIDÊNCIA, da forma como foi proposto pela equipe econômica do EXECUTIVO, e que resultou MUTILADO pelos deputados POPULISTAS, tinha como propósito encaminhar uma solução do falido e injusto SISTEMA PREVIDENCIÁRIO, em dois tempos:

1- dar SUSTENTAÇÃO ao péssimo REGIME DE REPARTIÇÃO; e,

2- criar uma NOVA PREVIDÊNCIA, pelo saudável REGIME DE CAPITALIZAÇÃO, onde cada indivíduo passaria a formar a sua poupança a ser desfrutada no futuro, ao se aposentar.

Como os Estados e Municípios, que em termos comparativos com a debilitada União, estão em situação DESESPERADORA, sem mínimas condições de enfrentar seus crescentes DÉFICITS PREVIDENCIÁRIOS, ficaram de fora da REFORMA DA PREVIDÊNCIA -FEDERAL-, o prazo para diminuir o SUFOCO FISCAL ficará extremamente dilatado.

Como o Brasil tem 26 Estados + o Distrito Federal e 5570 Municípios, seriam necessárias quase 5.600 REFORMAS. Que tal?

Mais: se levarmos em conta que a REFORMA TRIBUTÁRIA, segundo já deram a entender, claramente, os deputados e senadores, só será aprovada desde que o período de TRANSIÇÃO leve em torno de 25/20 anos, isto significa que, se aprovada ainda em 2019, os plenos efeitos só poderão ser sentidos lá por 2040, quando muita gente já terá deixado este mundo.

Atenção: antes que algum leitor me rotule de PESSIMISTA quero que saiba que a aprovação das DUAS REFORMAS – PREVIDÊNCIA E TRIBUTÁRIA-, mesmo com seus claros e indiscutíveis defeitos de fabricação, deve ser considerado um GANHO EXTRAORDINÁRIO. Como o Brasil é o ETERNO PAÍS DO FUTURO, o povo brasileiro, pela vontade de seus representantes, não admite, em hipótese alguma, a possibilidade de vir a ser o PAÍS DO PRESENTE!

(Gilberto Simões Pires é administrador de empresas, pós-graduado em marketing financeiro, coordenador do grupo Pensar+ e editor do site PontoCritico.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *